DLight – Distribuidora de Materiais Elétricos

Cabine Primária

Nomenclatura

São várias as denominações para cabines primárias. A norma ABNT NBR 14039, de dezembro de 2003, denominada “Instalações de Média tensão de 1,0 a 36,2 kV”, em seu parágrafo 3.6, menciona cabine primária como “subestação de entrada de energia”. Algumas concessionárias utilizam a denominação “posto primário”.  No entanto, muitos consumidores e fornecedores de equipamentos utilizam “cabine primária”.

Conceitos básicos

Por que precisamos de uma cabine primária ou subestação de entrada?

A resposta vem do aspecto técnico e econômico da condição de transportar a energia com menores perdas possíveis, de forma segura, econômica e na melhor condição.

A energia é gerada normalmente em locais distantes dos maiores centros de consumo na tensão de 13,8 KV (média tensão), a tensão é elevada para os níveis de tensão de transmissão (alta tensão) e então a energia elétrica é transportada por meio de linhas de transmissão. Em locais estratégicos, existem subestações que diminuem a tensão para ser então distribuída em áreas urbanas ou rural em média tensão.

Genericamente, a potência elétrica é dada por: P = V.I, ou seja, a potência é diretamente proporcional ao produto da tensão do sistema e à corrente do sistema.

Para transportarmos uma determinada quantidade de energia, é melhor ter tensões mais elevadas para obter correntes mais baixas, as quais implicam em menores perdas por efeito joule e implicam também em bitolas de cabos menores. Existem outras várias considerações sobre perdas, mas este é o conceito fundamental para todas as etapas.

Este conceito se aplica à subestação de entrada e às demais subestações, incluindo-se a distribuição em baixa tensão.

Fonte: https://www.osetoreletrico.com.br/cabines-primarias/